Compartilhe esse Post
na suas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Saiba como evitar uma Cobrança Judicial

Quando uma dívida caminha para uma cobrança judicial pode ser uma grande dor de cabeça para o seu negócio, principalmente quando se envolvem processos jurídicos. Hoje te contamos como evitar!

Uma ação de cobrança judicial é o ato do credor processar o devedor pelas dívidas existentes entre as duas partes envolvidas em um relacionamento comercial. Em outras palavras, quem está devendo pode ser processado pela empresa que forneceu o produto ou serviço, por exemplo.

Dependendo do valor da dívida, a ação pode acontecer no Juizado Especial, ou na Justiça comum. Isso acontece porque, de acordo com o próprio Juizado Especial Cível (JEC), o valor da ação não pode ultrapassar 20 salários mínimos. Nos casos em que a dívida ultrapasse 40 salários mínimos, passará a tramitar na Justiça comum.

O grande problema de uma ação judicial, além de todo o desgaste de um problema jurídico, honorários advocatícios, são os juros que compõem o débito principal.

Conheça mais sobre o assunto neste artigo.

Cobrança amigável: o início de toda negociação

Aqui na ABE sempre buscamos e priorizamos a negociação amigável. Num primeiro momento, nossa equipe de negociadores realiza ligações, faz o envio de mensagens e outros avisos por diversos meios de comunicação, informando o devedor sobre sua dívida.

Durante esse período tentamos de todas as maneiras fazer a negociação, oferecendo inúmeras facilidades para o devedor, tais como: pagamento parcelado via cartão de crédito. Buscamos todos os meios para evitar caminhar para a cobrança judicial.

Mas, quando as tentativas seguem sem sucesso e o devedor não responde a nenhum contato feito por nós ou ainda prefere não fazer um acordo quando tomou conhecimento da dívida, o caminho que indicamos aos nossos clientes, é seguir para a cobrança judicial.

Antes mesmo disso acontecer, uma das primeiras consequências mais graves que o devedor sofre é a negativação do nome, ou seja, a inscrição do CPF nos órgãos de proteção ao crédito.

Sendo assim, passamos a ter o direito de informar a toda e qualquer instituição e para todas as pessoas que lidam com o mercado que existe uma dívida naquele CNPJ, prejudicando as relações comerciais do devedor.

É importante ressaltar que neste momento de cobrança amigável, nenhum credor pode utilizar meios vexatórios para com o devedor ou que levem a sua dignidade ao ridículo.

Empresas e pessoas físicas que fazem cobranças de forma agressiva e descabida podem, inclusive, ser penalizadas com detenção e multa! Por isso, é sempre muito importante ter neste momento um parceiro idôneo e com processos muito bem definidos.

Como uma dívida é cobrada judicialmente?

Como você já percebeu, partir para uma cobrança judicial, não é o primeiro caminho que recomendamos. Só seguimos adiante após diversas tentativas por meios de cobrança mais amigáveis.

Até mesmo porque, este é o cenário mais dramático para uma empresa. Além de ter o prejuízo do não recebimento da dívida no prazo que estava esperando, prejudicando o fluxo de caixa de um negócio como um todo, entrar com uma ação de cobrança judicial pode significar, mais ônus.

Optar pela via judicial nem sempre é o caminho mais rápido para que o credor tenha o valor restituído.

Entretanto, quando o devedor insiste em não pagar a dívida, chega o momento de ingressar com uma ação, que poderá acontecer em um dos formatos que explicamos acima, o juiz irá identificar os documentos que comprovam a dívida e quais valores podem ser cobrados.

Após esta validação inicial, o devedor recebe uma carta de cobrança judicial e por meio dela, é chamado, oficialmente, a fazer parte do processo, para que tenha a oportunidade de se defender.

Por fim, ao final de todas as movimentações, o juiz, caso entenda como devido o valor, chamará o Réu da ação, que é o devedor, para que pague o que deve.

Como evitar uma cobrança judicial?

Mesmo que para o devedor não seja possível se ver livre das dívidas de maneira mais imediata, existem algumas atitudes que podem ser tomadas diante do problema.

Portanto, o que deve ser feito para resolver a situação serve tanto para evitar a cobrança judicial da dívida, como também para começar a sair do vermelho?

Passo 1: Acompanhar e identificar as dívidas

É importante o seu negócio ter um sistema de controle de boletos pagos/emitidos, cheques e assim por diante. Pela plataforma do Serasa, por exemplo, todas as dívidas que constam em seu nome podem ser acessadas de forma gratuita. 

Além de ter acesso à informação de valores da dívida e para quem está devendo, é possível também verificar seu score.

Passo 2: Fazer um bom planejamento financeiro

Após ter identificado quais são suas dívidas e o quanto está sendo cobrado em cada uma, chegou a hora de colocar tudo na ponta do lápis e elaborar um plano financeiro.

Fazer o seu planejamento financeiro é importante para programar os pagamentos que te farão sair do vermelho, como o valor das parcelas do acordo ou de quanto será destinado por mês do seu orçamento para quitar a dívida.

Lembrando que isso também poderá te ajudar a manter o bom controle financeiro de todas as movimentações que são realizadas.

Passo 3: Buscar negociações

A negociação amigável é sempre o melhor caminho e é a opção que lhe trará menos ônus para a sua empresa. 

Buscar este caminho impacta diretamente nas suas relações comerciais que podem ser preservadas, tanto com a empresa credora quanto com demais empresas.

Evitar que a cobrança seja feita pela Justiça, acarretará para o seu negócio o pagamento de multas e honorários de advogados, sendo o valor da dívida acrescido de atualização.

De modo geral, o pagamento pela via judicial pressiona muito mais o devedor.

Quando e porque terceirizar a recuperação de crédito?

Na recuperação de crédito, algumas Empresas optam por fazer a recuperação internamente, porém, nem sempre atingem o resultado esperado.

Tendo a ABE como Sua parceira na recuperação do crédito B2B, você evitará alguns transtornos em seu próprio negócio:

1 – Alta demanda operacional para executar cobranças, exigindo contratações novas;

2 – Necessidade de direcionar equipes com foco na gestão e demais ações de crédito cobrança;

3 – Alta taxa de inadimplência;

4️ – Gestão financeira desestruturada;

5️ – Estratégia de cobrança desestruturada;

6 ️ – Estratégia para cobrança judicial desestruturada ou “improvisada”.

A associação desses problemas ao mesmo tempo ou mesmo a intensificação de qualquer um deles, pode trazer prejuízo ainda maior.

Se sua Empresa sofre com qualquer uma dessas razões citadas acima, considere a contratação da ABE para a recuperação de crédito

Formalizamos acordos eficazes, de forma que o inadimplente sinta-se confortável e confiante na quitação da dívida. Não cobramos. Recuperamos créditos e mantemos o laço comercial entre Você e seu Cliente.

Mande uma mensagem para nós que entraremos em contato para apresentar a melhor solução para a sua empresa.

Deixe Seu Comentário